Páginas

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Helder recebeu quase R$ 6 mi de empreiteiras denunciadas

A maior doação para o filho do honestíssimo senador Jader Barbalho (PMDB)

Derrotado nas eleições de 2014 na disputa para o governo do Estado por Simão Jatene (PSDB), o atual ministro da Secretaria dos Portos, Helder Barbalho, recebeu quase R$ 6 milhões de doações de empreiteiras denunciadas - e algumas já condenadas - na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, no maior escândalo de corrupção da história do Brasil.

A maior doação para o filho do honestíssimo senador Jader Barbalho (PMDB) - já denunciado na Operação Lava Jato por ter supostamente recebido uma propina de US$ 6 milhões ao lado dos senadores Renan Calheiros (PMDB) e Delcidio Amaral (PT) - veio da maior empreiteira do país, a Norberto Odebrecht (o presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, está preso), que doou R$ 1,2 milhão para a milionária e derrotada campanha de Helder. Para se ter uma ideia do volume de recursos repassado para Helder, a Odebrecht colaborou com a campanha de Simão Jatene com pífios R$ 1.075,00.
O site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) comprova também que Helder Barbalho recebeu R$ 900 mil da constutora Andrade Gutierrez, R$ 1 milhão da Brasken, R$ 530 mil da empreiteira Queiroz Galvão e inacreditáveis R$ 2 milhões, 175 mil do grupo JBS, que controla entre outras empresas, a Friboi, que mantém frigoríficos e matadouros no Estado do Pará.
As empreiteiras Norberto Odebrecht e Andrade Gutierrez participam da construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, sudeste do Pará, onde empreiteiros confessaram ao juiz federal Sergio Moro, que comanda os inquéritos da Operação Lava Jato, reconheceram ter pago R$ 100 milhões em propinas a políticos do PMDB de do PT.
O honestíssimo pai de Helder, Jader Barbalho, já foi denunciado duas vezes por corrupção na Operação Lava Jato: a primeira, pelo ex-diretor internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, e a segunda pelo lobista Fernando Soares, o Baiano, apontado pela Polícia Federal e pelos procuradores da República que integram a Força-Tarefa da Lava Jato, como principal operador do PMDB no esquema corrupto da Petrobras.
Apesar das doações milionárias que recebeu de empreiteiras denunciadas na Lava Jato para sua campanha eleitoral ao governo do Estado, em 2014 - disparada, a mais cara do Pará - Helder Barbalho perdeu no segundo turno para Simão Jatene por uma diferença superior a 100 mil votos.
Isso, quando o diário de campanha do filho de Jader divulgava, na véspera da eleição, pesquisa encomendada mostrando que Helder mantinha uma vantagem de 13 pontos percentuais sobre Jatene. Resultado: na mansão de R$ 6 milhões de Helder num luxuoso condomínio em Ananindeua, um jantar regado a bacalhau, caviar e champanhe - preparado para festejar a vitória - acabou na cesta de lixo.

Fonte ORWNEWS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o site Talento Noticias não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!